terça-feira, 14 de outubro de 2014

sinais da volta de cristo

QUAIS OS SINAIS DA VOLTA DE JESUS?




1º SINAL - ENGANAÇÃO SEM PRECEDENTES



Nesta série de postagens, faremos uma análise à luz da Bíblia Sagrada, dos sinais que antecedem a segunda vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, comparando estes sinais com a realidade da humanidade na geração em que vivemosl.

No livro de Mateus, no capítulo 24, versos 3 a 5, temos as perguntas dos discípulos e as respostas de Jesus:

"E, estando assentado no monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos, em particular, dizendo: Dize-nos quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo? E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane; Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos."

Nesta passagem, o Senhor Jesus responde os seus discípulos mencionando não somente um sinal, como eles pediram, mas lista uma série de sinais que antecederia a sua vinda, e o primeiro sinal é o da enganação sem precedentes.

A palavra "Cristo" significa "O Ungido", e é uma tradução do hebraico "Messias" que quer dizer "Deus conosco", ou seja, o Cristo é o próprio Deus habitando no nosso meio.

Se Jesus é o Cristo, logo ele é a verdade e solução de todas as coisas, e fora dele não hà nenhuma verdade. Assim, ao dizer que muitos serão enganados, Jesus deixa claro que os falsos cristos afirmarão possuirem a verdade, ou serem a verdade.

Isso é justamente o que temos visto atualmente. Nunca a humanidade esteve tão perdida. A verdade foi relativizada, inclusive existe até o ditado, de que "cada um tem a sua verdade".

Uns seguem a Buda, outros a Maomé, outros a Ghandi, outros a Karl Max, outros a Maria. Mas somente aqueles que cumprem os mandamentos de Jesus Cristo, nunca serão enganados.

2º SINAL - GUERRAS E RUMORES DE GUERRAS



Continuando a mencionar aos seus discípulos os sinais que indicariam a iminência da sua volta, o Senhor Jesus fala sobre as guerras e os rumores de guerra. Vejamos Mt 24:6-8, que diz assim:

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai não vos assusteis, porque é mister que isso tudo acontença, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares."

É interessante observar, que guerras sempre existiram na história da humanidade, mas, que no último século, morreram mas pessoas nas guerras (direta e indiretamente), que nos 1900 anos anteriores. Não obstante, com o advento da globalização e com a evolução da mídia, os conflitos regionais passaram a ter visibilidade mundial, e com isso, passou a cumprir-se de forma efetiva o 2º sinal da volta de Cristo, qual seja a rápida dispersação das informações sobre as guerras, e também os boatos sobre as possíveis guerras.

Notemos que Jesus fala sobre o conflito entre nações e entre reinos, o qual nos leva a concluir que nações representam os diferentes povos e os reinos são os governantes destes povos. Temos observado com uma frequência assustadora e cada vez maior estes conflitos preditos pelo Mestre, sejam povos, como indianos e paquistaneses ou israelenses e árabes, sejam governos, como os dos Estados Unidos e China.

Por fim, Jesus, demonstrando seu amor e seu cuidado, diz para nós não nos assustamos e apenas depositamos nele a nossa confiança, pois estas coisas são apenas o princípio de dores, ou seja, o começo dos sinais que indicam sobre a breviedade de sua volta

3º SINAL - FOME INTENSA EM VÁRIOS LUGARES DO MUNDO



"Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares."



É bem verdade que as guerras e as fomes têm acompanhado a humanidade por muito tempo. Mas, Jesus, ao mencionar aos seus discípulos os sinais que indicariam a proximidade da sua vinda, estava indicando que estes sinais aconteceriam de forma mais intensa, e também seriam mais amplamente espalhados pelo mundo.

Se observarmos a parábola da figueira, quando Jesus menciona o período de uma geração bíblica: "Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam.", e ainda, em Salmos 90:10 "A duração da nossa vida é de setenta anos...", podemos ver que a geração que viu a figueira renascer (Israel foi criado em 1948), presenciou um aumento dramático em intensidade e tamanho dos sinais que indicam a proximidade da vinda de Cristo.

Estes sinais estão intrínsicamente relacionados, pois guerras trazem consigo crises financeiras, e estas a fome. Podemos presenciar a situação crítica em que milhares de pessoas no mundo não possuem sequer o básico para alimentar-se, seja no Brasil (desigualdades sociais), seja na África (guerras e secas), na Ásia (chuvas).

A questão é que, embora o homem tenha aumentado a produção de alimentos, por diversos motivos, estes alimentos não tem chegado à mesa de muitas pessoas em todo o mundo, fazendo da fome um problema crônico que tem desafiado os Estados quanto à dificuldade de solução.

Assim, indubitavelmente, temos mais um sinal da volta de Jesus cumprindo-se diante dos nossos olhos.

4º SINAL - EPIDEMIAS GLOBAIS



"Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares."


É incrível como nas últimas décadas, e particularmente nos últimos anos, tem ocorrido o aparecimento de tantas doenças anteriormente não conhecidas e com o poder de propagação a nível mundial. Podemos listar, a aids, o ebola, a gripe do frango, a gripe suína, a gripe espanhola, entre tantas outras doenças que surgem em uma determinada região do planeta e logo se alastram, sem fronteiras, causando pânico em toda a população mundial.

Certamente, este é o sinal que Cristo mencionou, quando afirmou que apareceriam pestes em vários lugares do mundo. Para nós, cristãos, esses sinais são claros, sem possibilidade alguma de confusão quanto à época do retorno de Nosso Senhor Jesus Cristo.

O objetivo central deste blog é, justamente, apresentar estes sinais e as evidências bíblicas que nos mostram o iminente retorno de Jesus à nossa geração.

Felizes são aqueles que lavaram as suas vestiduras no sangue do Cordeiro, e que estão vigilantes e atentos aos sinais deixados pelo Mestre

5º SINAL - TERREMOTOS EM VÁRIOS LUGARES




"Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio das dores."



A ocorrência de terremotos têm aumentado de forma impressionante. Segundo especialistas, no século XX aconteceram mais terremotos que em toda a história humana conhecida, e na última década, aconteceram mais terremotos que em todo o século XX. No discurso acima, o Senhor Jesus menciona mais um sinal, qual seria a ocorrência de terremotos em vários lugares do mundo, e diz ainda que estes sinais serão apenas o princípio das dores.

Por falar em "dores", nos faz lembrar da mulher que está para dar a luz, e à medida que aproxima-se o momento da concepção, as contrações e as dores aumentam em intensidade e em período de tempo. É exatamente isto que temos observado nestes últimos dias antes da volta de Jesus a esta terra. Os sinais que Ele mencionou para que observássemos estão acontecendo cada vez mais fortes e com menor intervalo de tempo entre eles.

No caso dos terremotos, podemos mencionar a incidência de forma global: México, Argentina, Chile, Estados Unidos, Japão, Irã, Paquistão, Espanha, Nova Zelândia, Haiti, entre tantos outros países, que foram abalados recentemente por terremotos.

Sem dúvida, este é mais um sinal para nós, cristãos, ficarmos atentos às palavras infalíveis do Mestre

6º SINAL - COISAS ESPANTOSAS E GRANDES SINAIS NO SISTEMA SOLAR



Lc 21:11 - "E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu."



Lc 21:25-26 - "E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas; homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo. Porquanto as virtudes do céu serão abaladas."





Lendo estes versículos, parece que estamos tendo acesso ás notícias que estão acontecendo no nosso tempo. Estes sinais deixados por Cristo são tão patentes, que nos dão a certeza de que Ele voltará e os nossos olhos O verão vindo nos levar deste mundo tenebroso.

Vejamos alguns dos grandes sinais na atmosfera, no sol, na lua e no espaço sideral que estão acontecendo agora mesmo:



1- O terremoto que atingiu o Japão em 2011, alterou o eixo de rotação da terra;

2 - Os ufologistas não se cansam de propagar as aparições dos objetos voadores não identificados;

3 - A terra têm sido inundada com o fenômeno da aurora boreal;

4 - A lua está com a sua posição em relação à terra alterada;

5 - Repetidas vezes a mídia têm divulgado a presença de asteróides com rota provável de colisão com terra;

6 - A ocorrência de riscos à humanidade por conta das "chuvas de meteoritos";

7 - O sol está apresentando grandes instabilidades, emitindo assim tempestades de calor em direção ao espaço;



Estes são os sinais descritos por Jesus que aconteceriam fora da Terra. No 7º sinal, veremos os sinais que ocorreriam na Terra, especificamente com o homem e com a natureza

7º SINAL - GRANDES INSTABILIDADES NA NATUREZA E NO COMPORTAMENTO HUMANO


Lc 21:25-26 - "E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas; homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo. Porquanto as virtudes do céu serão abaladas."

Enquanto no sistema solar, o sol, a lua e as estrelas nos mostram os sinais de instabilidade, na Terra também vemos o 7º sinal predito por Jesus, qual seja o desequilíbrio da natureza e o comportamento desesperador da humanidade, na angústia em saber e sentir a desarmonia do cosmos.

Os tsunamis são eventos caracterizados por enormes ondas do mar que, por causa da ocorrência de um terremoto submarino passam a ser criadas e direcionadas ao continente. São fenômenos a muito conhecido, principalmente pelos orientais, mas, o que caracteriza este acontecimento como um dos sinais que indicam a iminente volta de Jesus, é o aumento da sua frequência, conforme temos visto atualmente.

Em consequência destas ondas, dos terremotos, dos sinais celestes, das guerras e revoluções, dos furacões e pricipalmente da ausência da paz interior que só Jesus pode oferecer, os homens têm apresentado atualmente um comportamente de total desespero e incerteza com relação ao futuro

8º SINAL - O RENASCIMENTO DA FIGUEIRA (ISRAEL) OCUPANDO LUGAR CENTRAL NO MUNDO





Mt 24:32-34 - "Aprendei pois a parábola da figueira: Quando já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão. Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam."

Sl 90:10 - "A duração da nossa vida é de setenta anos..."





Jesus veio inicialmente a este mundo como o descendente de Davi que seria o Messias de Israel. Com a rejeição dos judeus a Cristo, eles, no ano 70 d.C foram expulsos da Judéia e dispersos pelo mundo. Assim, Jesus profetizou que um dos sinais de que Ele estaria retornando, seria justamente o renascimento da nação de Israel com o respectivo retorno do povo judeu para a sua terra. Isto aconteceu de fato, após a segunda guerra mundial, sendo que no dia 15 de maio de 1948 estava criado oficialmente o Estado de Israel.

Jesus ainda disse, que a geração que veria o renascimento de Israel, não passaria, sem que todos os sinais, inclusive o seu retorno, acontecesse. Mas sabemos, que uma geração bíblica, conforme Sl 90:10, são de 70 anos judaicos (aproximadamente 69 anos gregorianos). Assim, esta geração está prevista para acabar no ano de 2017.

A palavra de Deus diz que não somente Israel renasceria, mas que ocuparia um lugar central na história do mundo, conforme vemos em Zc 12:2-3- "Eis que porei a Jerusalém como um copo de tremor para todos os povos em redor, e também para Judá, quando do cerco contra Jerusalém. E acontecerá naquele dia que farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que carregarem com ela certamente serão despedaçados, e ajuntar-se-ão contra ela todas as nações da terra.". E, em Zc 12:9, completa: "E acontecerá, naquele dia, que procurarei destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém;"

Este é justamente o cenário que temos visto, em que todas as nações da terra têm voltado suas atenções para Israel, com o objetivo de riscar esta pequenina e pederosa nação do mapa

9º SINAL - O ANTICRISTO E O FALSO PROFETA




Mt 24:5 - "Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos."

Mt 24:23 - "Então, se alguém vos disser: Eis que o Cristo está aqui, ou ali, não lhes deis crédito;"

Mt 24:15 - "Quando pois virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda;"

Dn 9:27 - "E ele firmará um concerto com muitos por uma semana: e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; e sobre a asa das abominaçõesvirá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador."

II Tess 2:1-4 - "Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição; O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus,"

Jo 5:43 - "Eu vim em nome do meu Pai, e não me aceitais; se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis."



Crise financeira mundial, terceira guerra mundial, falsa ameaça de invasão alienígena, falso aquecimento global, tormentas solares, grandes terremotos e tsunamis, quedas de asteróides, chuvas de meteoritos, fomes e pestilências em escala global. É neste cenário, que de forma sutil aparecerá uma pessoa, que, com o discurso de "unidade na diversidade", "todos somos um", conseguirá resolver, aparentemente, as calamidades humanas.

A crise financeira mundial será resolvida com a moeda única mundial, provavelmente o chip sob a pele. A guerra será resolvida com um acordo entre Israel, os árabes e o resto do mundo. O falso aquecimento global será enfrentado com o estabelecimento de uma economia mundial "verde". As diferenças religiosas serão sanadas através do conselho mundial das religiões, sob o comando do Falso Profeta. A fome será resolvida, pois se criará um sistema de distribuição de alimentos, tipo o "programa bolsa família" aplicado no Brasil.

Com a solução aparente dos problemas da humanidade, o Executivo Mundial será aclamado por todos os povos e proclamará Jerusalém como sua capital, exigindo ainda a adoração de todas as pessoas, sendo que receberá essa adoração.

Mas, somente um povo na terra se recusará a adorá-lo e a receber a sua marca. Trata-se da IGREJA DE CRISTO, composta dos verdadeiros cristãos e dos judeus messiânicos, agora cristãos também.

Contra estes, o Anticristo descarregará a sua fúria, que se manifestará na Grande Tribulação dos cristãos

10º SINAL - APOSTASIA

(ESCÂNDALOS, TRAIÇÕES, FALSOS PROFETAS E O ESFRIAMENTO DO AMOR POR CRISTO E PELO PRÓXIMO)

Mt 24:10-13 - "Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se aborrecerão. E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas, aquele que perseverar até ao fim será salvo."

II Tess 2:3 - "Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição."



Antes e durante a grande tribulação dos cristãos, estará ocorrendo um dos sinais preditos por Cristo como indicativo da iminência do seu retorno. Trata-se da APOSTASIA, que significa "afastamento", ou seja: Pessoas que dizem ser cristãs, mas que não possuem nada de cristãs, e ainda ensinam outras pessoas a afastarem-se do verdadeiro caminho.

Hoje, é moda dizer que é cristão, inclusive, temos total liberdade de culto. Mas durante a grande tribulação, não será assim, pois com o aumento da perseguição, muitos abandonarão a Cristo, e se voltarão para o mundo, sendo que enquanto para os cristãos será momento de angústia, para o restante será um momento de prosperidade e felicidade, conforme disse Jesus, em Lucas 17:28-30 - "Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam. Mas no dia em que Ló saiu de sodoma choveu fogo e enxofre, e os consumiu a todos. Assim será no dia em que o Filho do Homem se há de manifestar."

A maldade e o pecado se multiplicará muito dentro do próprio movimento daqueles que se dizem cristãos (Essa é a Apostasia). Os próprios líderes cristãos serão os primeiros a trairem os demais e a Cristo, e muitos falsos profetas enganarão as ovelhas incautas com doutrinas de perdição e ecumenismo. Paulo já falava sobre isso a Timóteo, em I Tm 4:1 - "Mas, o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrina de demônios.".

Assim, somente permanecerão firmes os verdadeiros cristãos. Inclusive, a palavra "tribulação" origina-se do latim tribulum, que era um instrumento utilizado pelos agricultores para separar o joio do trigo. Neste sentido, a palavra encaixa-se perfeitamente, pois na grande tribulação será realizada realmente a separação entre os verdadeiros e os falsos cristãos, e somente "aqueles que perseverarem até o fim serão salvos

11º SINAL - A GRANDE TRIBULAÇÃO - PERSEGUIÇÃO MUNDIAL AOS VERDADEIROS CRISTÃOS




Mt 24:9 - "Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as gentes por causa do meu nome."

Mt 24:21 - "Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tão pouco há de haver."

Ap 7:9 - "Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestidos brancos e com palmas nas suas mãos:"

Ap 7:13-14 - "E um dos anciãos me falou, dizendo: Estes que estão vestidos de vestidos brancos, quem são, e donde vieram? E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram os seus vestidos e os branquearam no sangue do Cordeiro."

II Pe 3:17-18 - "Porque melhor é que padeçais fazendo bem (se a vontade de Deus assim o quer), do que fazendo mal. Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; mortificado, na verdade, na carne, mas vivificado pelo Espírito."

II Pe 4:13 - "Mas, alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo; para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis."

I Pe 4:16 - "Mas, se padece como cristão, não se envergonhe, antes glorifique a Deus nesta parte."

Ap 2:10 - "Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida."



Após a recusa dos cristãos em receber a marca do Anticristo e adorá-lo, ele os perseguirá e matará a muitos, sendo que uma parte dos servos de Cristo, de forma milagrosa, será protegida por Deus. Esta parte é que passará pelo arrebatamenro sem sofrer a morte.

12º SINAL - A PREGAÇÃO DO EVANGELHO EM TODO O MUNDO

Mt 24:14 - "E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as gentes, e então virá o fim."


Jesus deixou bem claro que Ele somente voltaria quando o evangelho fosse anunciado em todo o mundo. Este sinal está se cumprindo em nosso dias. Com o advento da internet, qualquer pessoa no planeta poderá conhecer a Cristo.

Mesmo na grande tribulação, o evangelho será anunciado, pois o martírio e a perseguição aos cristãos será notícia em todo o mundo, sendo que todas as pessoas saberão que os cristãos estarão sofrendo perseguições e mortes por amor ao nome de Jesus Cristo.

Assim, o mundo não terá desculpas diante de Deus quando do julgamento, e então.... VIRÁ O FIM, pois Jesus voltará, e:

- ressuscitará os mortos;

- transformará os vivos;

- arrebatará a igreja;

- destruirá o anticristo, o falso profetas e seus exércitos;

- destruirá o mundo;

- fará o julgamento dos ímpios e dos anjos maus;

- lançará os ímpios e os anjos maus no lago de fogo;

- criará novos céus e nova terra, com a nova Jerusalém, onde os salvos viverão eternamente.


 


13º SINAL - SERÁ COMO NOS DIAS DE NOÉ
 
 
Mt 24:37-39
 
“E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos – assim será também a vinda do Filho do homem.”
 
Gn 6:5
 
“E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra, e que toda a imaginação dos pensamentos do seu coração era só má continuamente.”
 
Gn 6:1
 
“A terra porém estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência.”
 

Quando observamos o padrão moral da sociedade atual, somos forçados a comparar a nossa geração com aquela dos dias de Noé. Inclusive, ao mencionar os sinais que indicariam a proximidade da sua vinda, o Senhor Jesus nos disse que a geração que veria a sua volta seria bem parecida com a dos dias de Noé.
 

Vejamos algumas semelhanças entre essas gerações:
 

1 – Exagero apego aos prazeres humanos: Comer, beber e casar são atividades cotidianas de uma sociedade, mas o que o Senhor condenou foi o ato de levar a vida somente preocupando-se com estas atividades, sem sequer pensar na possibilidade do retorno do Filho do homem. Quando o ser humano só pensa nas coisas terrenas, ele fica desapercebido da realidade espiritual;
 
2 – Multiplicação da Maldade: O mal em si é algo que causa uma repulsa natural no ser humano. Mas, quando a prática do mal torna-se comum e rotineira em uma sociedade, a repulsa desaparece, e o mal passa a multiplicar-se em larga escala, levando o ser humano à destruição física, moral e espiritual;
 
3 – Pensamentos maus continuamente: Como consequência da multiplicação do mal, ocorre a deformação moral do ser humano, e o seu coração torna-se mau por completo;
 
 
 
4 – A terra encheu-se de violência: Junta-se uma vida apegada somente aos prazeres do mundo, a multiplicação da maldade e a corrupção total da imaginação dos pensamentos humanos, e temos como resultado o A TERRA CHEIA DE VIOLÊNCIA.
 

CONCLUSÃO: Assim como a geração de Noé pereceu pelo dilúvio como castigo pela sua maldade, a nossa geração também perecerá por causa da sua perversidade, sendo que agora será através do fogo, conforme profetizado pelo Apóstolo Pedro.
 
 
 

14º SINAL - SERÁ COMO NOS DIAS DE LÓ

 

Lc 17:28-29

“Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos.”

Gn 19:5

“E chamaram a Ló, e disseram-lhe: Onde estão os varões que a ti vieram nesta noite? Traze-os fora a nós, para que os conheçamos.”

Jd 1:7

“Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se corrompido como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.”

A geração que verá o retorno de Jesus Cristo será semelhante às gerações dos dias de Noé e de Ló. Conforme observamos em gênesis, o que caracterizou a sociedade dos dias de Ló, além de muitos outros pecados, foi a violência, pois a bíblia diz que a terra se encheu de violência, e que as imaginações (pensamentos) do coração do homem era má continuamente.

Agora, vamos nesta postagem analisar outras características da atual sociedade que a identificam como aquela que verá o retorno de Jesus Cristo. São as características da sociedade do tempo de Ló.

Ló era sobrinho do patriarca Abraão, e após separar-se do seu tio, foi habitar na cidade de Sodoma. Apesar de Ló conhecer o Deus de Abraão, ele não tinha intimidade com Ele, pois tomou a decisão errada de ir habitar em uma cidade totalmente depravada.

Quando os pecados de Sodoma chegaram ao limite do suportável por Deus, o Eterno a resolveu destruir, mas teve que retirar Ló e sua família, pois este homem, ainda que falho e dúbil, temia a Deus e era justo.

Da mesma forma que a sociedade pré-diluviana, Sodoma tinha muitos pecados, mas o principal deles, conforme observamos nas escrituras, era o homossexualismo, em todas as suas variações. Os habitantes de Sodoma chegaram ao ponto de tentarem estuprar os anjos que foram resgatar Ló.

Não se parece com a sociedade atual? Sim, com certeza. Se olharmos no retrovisor do tempo, voltando uns trinta anos no passado, podemos lembrar o quanto a prática homossexual era recriminada pela sociedade. Mas, lentamente, as forças do mal se infiltraram nas diversas instituições do Estado e da sociedade, transformando o homossexualismo em um direito civil, sendo que hoje, qualquer pessoa que se oponha a esta prática poderá ser punida pelo Estado.

Esta será apenas mais uma razão pela qual os cristãos serão perseguidos e mortos durante a grande tribulação, pois os princípios de Deus são opostos ás práticas malignas

 

“Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios.”


15º SINAL - GRANDES SINAIS NO CÉU

 
Lc 21:11

“E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilência; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu.”

A nossa geração tem se acostumado a testemunhar a ocorrência de grandes acontecimentos que não ocorriam antes. Podemos lembrar dos tsunamis e dos grandes terremotos recentes.

Jesus afirma que antes da sua vinda aconteceriam grandes sinais nos céus e coisas espantosas. Mas, que acontecimentos seriam esses? Creio que os grandes sinais nos céus sejam aqueles preditos pelos profetas e pelo próprio Senhor, quanto ao sol, à lua e às estrelas (meteoros):

Mt 24;29

“E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas.”

Hoje, qualquer pessoa que acompanha as notícias sabe que o sol está passando por turbulências e tem apresentado manchas. Quanto aos meteoros, todo dia, centenas deles atingem a atmosfera da terra e são destruídos, mas estudos apontam que existe uma probabilidade de um grande meteoro atingir a terra no curto prazo. Vejamos estas passagens bíblicas:

Ap 8:8

“E o segundo anjo tocou a trombeta; e foi lançada no mar uma coisa como um grande monte ardendo em fogo, e tornou-se em sangue a terça parte do mar.”

E;

Ap 8:10

“E o terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela, ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas.”

CONCLUSÃO: Creio que estes sinais ainda não aconteceram em sua plenitude, pois segundo o Senhor, estes fatos acontecerão logo depois da grande tribulação, e esta ainda não aconteceu, mas está bem perto de começar. Todavia, devemos estar em estado de alerta, pois os demais sinais em conjunto nos mostram a proximidade da vinda do Senhor. Estejamos preparados, pois “o que há de vir, virá, e não tardará.
 
16º SINAL - COISAS ESPANTOSAS NO CÉU
 
Lc 21:11
“E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e grandes pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu.”
Na parábola da figueira, o Senhor Jesus afirma que a geração que veria a sua volta seria aquela que testemunharia o renascimento da nação de Israel. Como sabemos, este país passou a existir na era moderna, no ano de 1948.
Você já parou para pensar que os sinais preditos por Cristo como indicativos da sua volta passaram a se intensificar a partir do renascimento de Israel? Sim, é verdade, e um destes sinais, é o aparecimento nos céus em vários locais do mundo, dos chamados OVNIS (objetos voadores não identificados), conhecidos popularmente como discos voadores.
Estes aparecimentos de OVNIS têm se intensificado nos últimos anos, sendo que boa parte da população mundial espera que os governos venham a público afirmar que não estamos sós no universo.
E, conforme afirmou o Senhor Jesus, estes aparecimentos têm causado espanto nos céus, ao ponto de muitos que se diziam cristãos, terem abandonado a fé, tornando-se adeptos da ufologia.
Mas, que ninguém nos engane, pois sabemos que estes aparecimentos são armadilhas do nosso inimigo com o objetivo de causar pânico e fazer com que milhões de pessoas neguem o sacrifício de Jesus na cruz, conforme diz o Apóstolo Paulo em II Tess 2:9-11;
A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira;”
CONCLUSÃO: Os Ovnis serão muito úteis para o Anticristo, pois o mesmo usará a desculpa de que a humanidade precisa se unir para poder resistir aos ataques extraterrestres, e assim conseguirá implementar A SUA DITADURA MUNDIAL E A PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS.

Carta do Pr. José Rodrigues ao Pr. Luiz Hermínio

Carta do Pr. José Rodrigues ao Pr. Luiz Hermínio
Trindade, 13 de outubro de 2014

Luiz,
Vivemos um momento muito grave em nossa nação, muito parecido com o que ocorreu em 1964, quando os militares deram um golpe para impedir que o Comunismo se instalasse no Brasil. Há declarações veladas das Forças Armadas dizendo que se o PT vencer as eleições haverá guerra e o Brasil estará arruinado.
Nessa hora temos que somar forças, parar tudo e nos dedicarmos à intercessão nesses poucos dias que faltam antes do dia 26 de outubro. Temos pouco tempo para salvar o Brasil, através de nossas orações e ações.
O Brasil tem uma vocação cristã, mas, nossa presidente se manifestou, por duas vezes, na ONU, em favor do estabelecimento do Islã em nossa nação. No Decreto 8243, ela passa por cima da Constituição, Congresso Nacional, e do Direito estabelecido.
Amanhã poderá ser tarde demais, e tudo só depende do arrependimento de nós que somos pastores, e de orarmos sem cessar. A mentira não há de prevalecer, a verdade e a justiça hão de prevalecer.
A Coréia (Norte) no inicio do século passado era um país lindo. Pyongyang viveu um grande avivamento nos anos 1902-1908, mas o Comunismo eliminou o Cristianismo na Coréia. Quinhentos pastores foram mortos e outros fugiram. Hoje são cerca de 60 mil cristãos presos, sendo torturados e mortos todos os dias.
Vamos parar tudo, nossas agendas e nos dedicarmos à oração. Vamos lutar no monte e no vale, pois, só nós podemos mover o braço do Eterno e Todo Poderoso Deus, aquele que remove e estabelece reis.

Sabendo que o Senhor nos pedirá contas.

jose rodrigues
http://mcmpovos.com/newsletter/2014/rodape.png" usemap="#1490b535e7322725_Map" class="CToWUd" />

sábado, 22 de março de 2014

Segundo casamento há benção nele?

EDIÇÃO 84 > ESPECIAL
Há bênção na segunda chance?
Segundo casamento
Uilians Santos
Existe no meio evangélico quase um consenso de que o divórcio e, conseqüentemente, um segundo casamento são atos pecaminosos, indignos de pessoas que declaram Jesus Cristo como Senhor e Salvador. A posição é baseada em passagens bíblicas como Malaquias 2.16, onde Deus deixa claro que “odeia o divórcio” e que este não foi o plano inicialmente estabelecido para a família. Porém, a própria Palavra do Senhor mostra que em algumas situações como infidelidade, relatada em Mateus 19, ou abandono, como esclarece 1 Coríntios 7.15, a separação é aceita e deixa a pessoa livre da condenação do pecado e do julgamento de outras pessoas.
Apesar das argumentações serem variadas, assim como as interpretações, o notório é que o tema é um tabu entre crentes e gera várias discussões. O assunto ganha mais força num momento onde o número de separações e recasamentos de evangélicos vêm aumentando em todo o mundo. Pesquisa realizada pelo Barna Research Group mostra que o índice de divórcios entre os cristãos americanos é mais elevado do que a média da parcela da população não-crente. Segundo o estudo, 27% das pessoas que declaram Cristo como Senhor já passaram por essa experiência, contra 24% dos adultos não “alcançados”. O Instituto Gallup também rastreou a vida dos casais cristãos americanos e encontrou resultado bastante parecido. A pesquisa apontou que 26% dos protestantes e 23% dos católicos já foram divorciados em algum momento da vida.
No Brasil a situação não é diferente. Em 2005, a Sepal (Servindo Pastores e Líderes), em parceria com o Ministério Apoio, realizou uma pesquisa para traçar o perfil das pessoas sem casamento nas igrejas brasileiras. Um dos objetivos do estudo era “conhecer a realidade afetiva, sexual, familiar e social” das pessoas que não estavam casadas no meio evangélico e preparar a igreja para trabalhar com elas.
O levantamento, feito com 478 evangélicos de diversas denominações de todas as regiões do país, revelou que pessoas entre 41 e 60 anos (79%) que responderam à pesquisa estavam divorciadas. Dos crentes que não estavam casados nas igrejas brasileiras, a partir dos 30 anos, a pesquisa mostrou que 34% dos homens e 32% das mulheres estão divorciados. O estudo revelou ainda que 22% dos homens e 13% das mulheres se encontravam separados.
Ao lado das questões espirituais, e por ser uma decisão que não afeta diretamente a vida do casal, mas de toda a família, é preciso levar em conta vários fatores antes de chegar a uma decisão. Até que ponto o divórcio e o novo casamento são atitudes realmente corretas aos olhos do Senhor? Como a igreja deve lidar com essa crescente situação? O que a Palavra de Deus diz sobre o assunto? Caso existam filhos, como eles reagirão à separação?
Estas são algumas das questões que devem ser feitas. “A decadência moral da sociedade contemporânea está influenciando a igreja. Em vez de a igreja lutar contra a cultura do relativismo mundano, ela está sendo influenciada”, afirma o pastor e escritor Hernandes Dias Lopes.
Lopes explica que em apenas duas situações o divórcio é legitimado: infidelidade (Mt 19.3-12) e abandono (1 Co 7.15). O autor do elucidativo Casamento, Divórcio e Novo Casamento (editora Hagnos) não é favorável à separação. Em sua obra, ele não aborda apenas questões sobre o divórcio, mas mostra ensinamentos para a boa convivência do casal e de como se construir um matrimônio sólido: “Penso que o perdão e a mudança de conduta são melhores do que a separação”.
DEUS DO IMPOSSÍVEL
O perdão é uma das principais características de Deus e do cristianismo ao longo dos séculos. Por meio do seu amor incondicional, o Senhor deixa claro que é capaz de esquecer os erros cometidos por qualquer pessoa que os “confessar” e os abandonar. E no casamento não é diferente.
Um dos exemplos é o de Davi que, mesmo após ter matado e cometido adultério com a mulher de Urias, foi perdoado quando reconheceu seu erro e acabou tornando-se “um homem segundo o coração de Deus”. Além disso, de uma relação que começou ilícita, foi gerado o rei Salomão, e da mesma linhagem nasceu Jesus Cristo.
Além desse exemplo na vida de Davi, a Bíblia registra nos três primeiros capítulos do livro de Oséias a história de Gômer, esposa do profeta que, seduzida pela luxúria, acaba deixando o lar para viver com seus amantes. Este incidente da vida do profeta é usado como exemplo, no texto, para também mostrar a prostituição em que se encontrava Israel, que havia se “cansado” de Deus e se entregado a outros deuses.
No capítulo 3, o Senhor deixa claro que, mesmo traído, não abandonaria Israel, e o mesmo esperava de Oséias. “O Senhor me disse: Vá, trate novamente com amor sua mulher, apesar de ela ser amada de outro e ser adúltera. Ame-a como o Senhor ama os israelitas, apesar de eles amarem outros deuses” (vs.1).

Estudioso do tema e com aproximadamente 25 anos de experiência no aconselhamento de casais, Lopes, que está à frente da 1ª Igreja Presbiteriana de Vitória (ES), explica que as pessoas que optaram pela separação dentro do que é previsto pela Bíblia não podem ser condenadas e nem vistas como pecadoras por decidirem casar novamente.
Para ele, quem proíbe ou condena o novo casamento de divorciados segundo as leis bíblicas comete um erro. “A Bíblia não nos autoriza a colocar esse fardo sobre os ombros daqueles que foram vítimas da infidelidade do cônjuge ou abandonados. Assim, onde a Bíblia permite o divórcio, ela também ratifica o novo casamento”, ensina. “Chamar de pecado o que Deus não chama de pecado é um grave erro. O apóstolo Paulo alerta para o ensino perigoso dos espíritos enganadores que proíbem o casamento (1 Tm 4.3)”, escreve.
Na avaliação do pastor e terapeuta familiar Josué Gonçalves, existe muita “ignorância quando se trata de separação conjugal”. Muitas vezes, a igreja acaba esquecendo de seguir o exemplo da compaixão ensinada por Jesus Cristo e acaba atrapalhando mais do que ajudando as pessoas que foram obrigadas a tomar essa decisão. Embora seja contrário à banalização do casamento, Gonçalves, que atende casais e realiza palestras em várias regiões do Brasil e do exterior, reconhece que, em “alguns casos”, a separação “é uma questão de bom senso e de preservação até da integridade física”. Outro fator para a crise do casamento é a secularização, que tem deixado muitas marcas entre os crentes. “A causa principal é a crise de compromisso que estamos vivendo dentro e fora dos portões da igreja. Amar, antes de ser um sentimento, é uma decisão. Esta decisão precisa ser responsável e de longa duração. A igreja não pode perder o senso de radicalidade do Evangelho”, comenta.
Após cinco anos de casamento, Deborah dos Santos Travassos, 30 anos, foi obrigada a colocar um ponto final em seu casamento depois que descobriu que o ex-marido, que ocupava cargos de liderança, mantinha, há mais de um ano, um caso extraconjugal com uma irmã da igreja onde congregavam. Depois de tomar conhecimento da traição, nos doze meses seguintes ela ainda tentou salvar o casamento. Porém, como o ex-marido não mudou sua conduta, preferindo ficar com a amante, Deborah decidiu buscar a própria felicidade. “Eu estava sendo humilhada e não podia ficar correndo atrás de uma pessoa que estava me fazendo sofrer. Eu queria ser feliz e viver.”

Para o casal Jessé Bueno e Suely Lemes de Oliveira, diretores nacionais do MMI Brasil, que promove o Curso Casados para Sempre, o casamento não deve ser desfeito em nenhuma circunstância
Embora sua vida espiritual tenha sido inicialmente abalada, Deborah nunca perdeu a fé e a esperança de construir uma família. Orientada por seu pastor e crendo que Deus a ajudaria a solucionar seu drama, ela se casou novamente. Hoje, passados cinco anos ao lado de Moisés, que na época iniciava na caminhada cristã, ela comemora um dos melhores momentos de sua história (Deborah também é mãe de uma linda menina chamada Letícia). “Sempre tive certeza da vitória. E hoje vivo aquele sonho que sempre quis ter”, garante. “Na época, quando tudo aconteceu, muitas pessoas me disseram que a glória da segunda casa seria melhor do que a primeira”, afirma, dizendo que tem vivenciado essa verdade bíblica. “Quando você está na presença de Deus e fazendo as coisas certas, tudo acaba te conduzindo a Ele.”

JOGO ABERTO
Na avaliação do pastor Fausto Brasil, responsável pelo Ministério Apoio, entidade cristã fundada em 1996 com o objetivo de atender pessoas “solteiras, divorciadas e viúvas”, a igreja deve, primeiramente, ser honesta ao ensinar à congregação o que crê. “Se o novo casamento não faz parte de suas convicções, seus membros precisam saber disso e o porquê”, diz. “Outra situação é a igreja não aceitar o divorciado casado de novo como membro. Ela pode até não aceitar, mas não pode impedir que estes freqüentem as reuniões e os cultos, e, por mandamento, deve amar a todos indistintamente.”
Fausto Brasil avalia que considerar todos os divórcios e o segundo casamento como algo pecaminoso é um grave erro. Porém, explica que se uma pessoa sair de casa, assumir um “relacionamento adúltero”, não se arrepender de seu ato e não buscar restaurar seu casamento, mas mantê-lo desta forma, “está, sim, em pecado”. “Ao falar sobre divórcio, Jesus é muito claro em afirmar que o mesmo ocorre devido à ‘dureza do coração’ (Mateus 19.8). Quando o coração de um, do outro ou dos dois endurece, não há mais espaço para arrependimento, para perdão, para reconciliação, e a separação parece ser a saída.”

Deborah Travassos foi obrigada a encerrar seu casamento depois de descobrir que o ex-marido, que ocupava cargos de liderança, mantinha um caso extraconjugal. Hoje comemora vitória ao lado de Moisés e da filha Letícia, sua nova família
O pastor presbiteriano Wesley Triunfo Rocha, 39 anos, casou-se novamente depois de sofrer com “problemas conjugais relatados em Mateus 19” e ser abandonado pela ex-esposa. “A separação não foi o melhor caminho. Busquei a restauração, mas não foi possível. Não poderia ficar com alguém que não queria viver mais comigo.”
Na época em que passava pelo processo de separação, cinco casais de sua igreja – na pequena Piratininga, cidade do interior paulista, com cerca de 10 mil habitantes – também estiveram próximos de colocar um ponto final no matrimônio. Depois de acompanhamento pastoral e trabalhos de cura interior, todos os casais resolveram permanecer juntos. Entretanto, o pastor acredita que a posição de expor para a igreja o problema que enfrentava colaborou para que os casais em crise compreendessem a importância do casamento. “Eu ainda creio e prego que o casamento é para sempre”, reforça Rocha.
Além de ser favorável ao divórcio, mas somente após esgotar todas as possibilidades de uma reconciliação, Rocha lembra que agressões, violência doméstica, traição, dureza de coração e abandono são algumas situações que podem levar pessoas a terminar um relacionamento.

Adolfo Costa e Deize de Paula eram separados e se casaram há 28 anos. Ele é pastor há 15 anos e acredita que a falta de orientação é, hoje, a principal causa para o alto índice de divórcios na igreja
O pastor conta que atendeu a um caso em sua igreja em que a mulher era agredida fisicamente pelo marido. Mesmo depois de muita conversa, acompanhamento de especialistas e aconselhamento pastoral, as surras à esposa e aos filhos não cessaram. Em várias ocasiões, as sessões de violência e ameaças de morte terminavam na delegacia. “Como dizer que aquela família levava uma vida de bênçãos se dentro de casa era um inferno?”, questiona pastor Rocha. Depois de acompanhar de perto, durante anos, aquela situação e não ver nenhuma evolução, o pastor começou a temer o pior e sugeriu a separação do casal. “Como poderia dizer para a pessoa continuar casada numa situação dessas? Ela e as crianças corriam sérios riscos de vida”, enfatizou.
Numa situação extrema como essa, o pastor Ciro Eustáquio Lima de Paula, responsável pela Rede da Família, que desenvolve diversas atividades com fundamentação bíblica para atender lares em diversas áreas, revela que não incentivaria o rompimento dos laços matrimoniais. “Mesmo que o agressor passe um período na cadeia, preferimos que o casal permaneça casado.”
Josué Gonçalves afirma que cada divórcio tem uma história e os diversos casos não podem ser tratados de forma generalizada. Falta de maturidade, de comunicação, desajuste sexual, ciúme doentio, insatisfação sexual, falta de conselheiro, intromissão de parentes no casamento, desequilíbrio financeiro, incompatibilidade espiritual e falta de perdão são as principais causas que têm levado casais a terminarem um matrimônio. Nessa circunstância, a congregação, como defensora da família, tem importantes papéis a cumprir, como preparar os que vão se casar, tratar das uniões em crise e socorrer as pessoas que passaram pelo divórcio. “A igreja deve buscar sempre trabalhar na restauração dos casamentos arruinados. Porém, existem pessoas que foram abandonadas, traídas, forçadas por uma situação irreversível e precisam ser assistidas, tratadas, apoiadas e curadas.
A igreja é uma grande clínica da alma: tem a missão de curar aqueles que sofreram uma separação que sempre é traumática”, frisa.

ANALISANDO AS EXCRITURAS
Verificar o que realmente diz as Escrituras é uma das lições para contrariar o radicalismo e as interpretações equivocadas da Palavra de Deus nessas situações. Para Jaime Kemp, fundador do Ministério Lar Cristão, entidade que tem ajudado milhares de pessoas a restaurarem a harmonia de suas casas, o pastor que se separou sem o consentimento bíblico perde a ‘autoridade’ e ‘credibilidade’ para permanecer diante do trabalho. Ele lembra que em 1 Timóteo 3, o apóstolo Paulo deixa registrado que o líder precisa tomar alguns cuidados no exercício da atividade ministerial, como ‘ser marido de uma só mulher’ e ‘não ser motivo de acusação’.
“Em minha opinião, se o líder se divorciou em base não bíblica, perdeu a unção para ficar no cargo de liderança.” Para ele, um dos motivos que tem gerado a "epidemia" de separações e recasamentos nos púlpitos é a má interpretação das Escrituras. “Há pessoas que não têm conhecimento da Palavra de Deus e acabam ensinando heresias”, afirma. Para mudar essa situação, é preciso voltar a ensinar a Palavra, estabelecer regras claras para que todos na igreja fiquem cientes e preparar os casais para enfrentar as adversidades. “Nós deveríamos fazer a diferença, ser sal e luz para modificar e transformar a sociedade, mas hoje é a sociedade que está nos transformando.”
As histórias pessoais de Adolfo Carmo Costa e Deize de Paula Costa são parecidas. Ambos foram casados antes de se converterem, se separaram, e os antigos companheiros não estão mais vivos. Casados há 28 anos, eles construíram uma família e hoje são vistos como exemplo por muitos amigos e familiares. Sempre que um dos filhos enfrenta problemas no casamento, vão buscar o conselho dos pais.
Adolfo Costa, que é pastor há 15 anos e atualmente lidera a Igreja Evangélica Congregacional em Santos (SP), acredita que a falta de orientação é, hoje, a principal causa para o alto índice de divórcios na igreja. Para evitar que problemas ocorram e o número de separações aumente, ele defende que a igreja tenha um grupo de apoio que preste auxílio aos casais e oriente na educação dos jovens em relação ao casamento. “Um casal tem o direito de se unir e ser feliz. É isso o que o Senhor quer de nós”, ressalta.
A Rede da Família está ligada à Igreja Batista da Lagoinha, em Belo Horizonte (MG) e acompanha o casal desde o namoro. Os noivos passam por um estudo bíblico antes de trocarem as alianças e, após o casamento, têm a oportunidade de fazer cursos voltados para diversas áreas da vida familiar, como finanças e criação de filhos. “Trabalhamos no sentido de o casamento não ser desfeito”, explica o pastor Ciro Eustáquio.
A grande quantidade de informações acaba se refletindo positivamente na vida dos casais. Segundo ele, a média de separações das pessoas que passam pelo curso está aproximadamente 5% inferior aos 30% da média brasileira.
Nas situações de pessoas que desejam se casar novamente, um dos cuidados é analisar, por meio de uma entrevista, se a primeira separação teve fundamentação bíblica. “Tem casos em que não aconselhamos e não realizamos o casamento.”
Para mudar o quadro atual, além do investimento na educação, participação da igreja e preparação dos jovens, os bons exemplos a ser seguidos precisam partir de casa. Nessa missão, o pastor e terapeuta familiar Josué Gonçalves sugere que os pais devem servir como espelho e viver uma vida conjugal equilibrada para que os filhos trilhem os mesmos modelos ao longo da vida. “Cada um de nós é responsável pela decisão que toma, pois a Palavra está aberta para todos como um aferidor que deve nos dirigir em cada escolha que fazemos”, ensina.
Para o casal Jessé Bueno de Oliveira e Suely Lemes Barbosa de Oliveira, diretores nacionais do MMI (Marriage Ministries International) Brasil, entidade que promove o Curso Casados para Sempre, o casamento não deve ser desfeito em nenhuma circunstância. Na avaliação deles, as igrejas que aceitam e realizam o casamento de pessoas separadas estão abrindo precedentes para que outros casos de separação ocorram. “Às pessoas que já passaram por esta experiência de divórcio e novo casamento orientamos a respeito do arrependimento, porque um pecado é o divórcio, e o outro é o segundo casamento”, afirma.
Nos cursos realizados em todo o Brasil, o aconselhamento é valorizado pelo bem da família, e homens e mulheres são orientados a lutar pelos seus casamentos, independentemente das situações que os levaram ao rompimento. “Se lutarmos pela manutenção da aliança, que é o plano original de Deus, certamente ajudaremos a evitar muitos problemas futuros. Cremos em um Deus todo-poderoso, para quem não há impossíveis”, arremata o casal.